3 dicas para escrever um livro clássico

Tempo de leitura: 3 minutos

O que faz um livro se tornar um clássico?

A resposta para esta pergunta é do grupo daquelas do tipo: “como faço para emagrecer?” Todos sabemos como, mas se fosse fácil a obesidade não atingiria tantas pessoas saudáveis. E na prática isso não ocorre.

Sendo assim, entenda que a resposta é simples, porém demandará muito esforço, prática e até mesmo estratégia por parte de um escritor para conseguir tal feito.

Algumas dicas para se escrever um livro que poderá se tornar um clássico:

SOBRE O CONFLITO

a) O conflito presente em sua história deve abordar um tema universal e ser bem planejado.

Em nossos dias, existem livros que se tornam best-sellers. E da mesma forma rápida com que eles surgem no mercado editorial, logo que se transformam em filme ou seriado, saem de cena com a mesma rapidez.

São vendidos aos milhares, verdade. Ainda assim, muitos não serão sequer conhecidos por pessoas nascidas na geração seguinte à sua publicação.

Isso porque contam histórias sem profundidade. Possuem cenas de ação de tirar o fôlego, viradas interessantes (mesmo sendo clichês), mas os conflitos são rasos. Tanto o conflito principal quanto os secundários.

A questão não é a classe do conflito. As boas histórias sempre falam sobre vingança, amor ou poder. Não tem como fugir. Mas só isso não basta. A maneira como esses temas são projetados na vida dos personagens dentro da trama é que faz a diferença.

SOBRE O PROTAGONISTA

b) Seu protagonista deve ser um personagem esférico e possuir um arco

Todos os grandes clássicos possuem protagonistas complexos. O escritor deve cuidar para que seu personagem principal não seja apenas uma pessoa em busca de vingança , por exemplo. O protagonista deve ter motivações interessantes, deve sofrer com sua decisão e muitas vezes se frustrar.

Gosto de repetir que boas histórias contam sobre a transformação de seus protagonistas. O que significa dizer que seu personagem precisa possuir um arco. Ele não pode sair da história da mesma maneira como entrou.

No final da história, Frodo não é mais o mesmo hobbit que saiu do Condado, Branca de Neve aprende que a inveja é algo perigoso, Sr. Scrooge deixa de ser avarento, Chapeuzinho Vermelho deixa de ser ingênua. Boas histórias contam sobre a transformação de seus protagonistas.

SOBRE O MERCADO EDITORIAL

c) Sua obra deve cair nas mãos de uma pessoa disposta a ganhar dinheiro com ela

Pode parecer estranho, mas é fato. Imaginem o tanto de boas histórias que nunca viram a luz do dia, porque nunca foram publicadas? Quantas outras que mesmo publicadas não chegaram à mão dos leitores?

A verdade é que o escritor não consegue fazer algo tão grande sozinho. E mesmo que sua obra seja realmente boa, é preciso alguém disposto a vendê-la, distribuí-la e fazer boa propaganda dela.

É uma mão de via dupla: não adianta uma pessoa tentar vender uma história que por si só já é ruim, assim como não funciona escrever uma boa história, sem que haja alguém disposto a ganhar dinheiro com ela. Por isso, pense no lado financeiro de seu produto, ou melhor, de seu livro. Isso fará toda a diferença.

Se você gostou das dicas, outras no vídeo a seguir:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *